[Livro] A Guardiã da Minha Irmã


→ Sinopse: Anna não está doente, mas parece estar. Aos treze anos, já passou por inúmeras cirurgias, transfusões de sangue e internações, para que sua irmã mais velha, Kate, possa combater a agressiva leucemia que a castiga desde pequena. Concebida por fertilização in vitro para ser uma doadora de medula óssea perfeitamente compátivel com a irmã, Anna nunca questionou o seu papel... até agora.
→ Escritor: Jodi Picoult
→ Ano de publicação (da minha edição): 2011
→ Páginas: 433
"Quando eu era pequena, o grande mistério para mim não era como os bebês eram feitos, mas por quê."
Quando eu assisti ao filme (que por sinal foi traduzido no Brasil como "Uma prova de amor"), terminei com aquela sensação doída que dá na gente quando acabamos pensando demais em alguma coisa. Na vida, sei lá. Comentei sobre isso com meu namorado e, alguns meses depois, ele me deu o livro de presente. Passei um tempo ignorando o livro na minha estante, mas uma grande parte de mim queria saber mais e, como todo mundo sabe, os livros sempre nos aprofundam mais na história. Então num final de semana calmo daqueles qualquer, eu comecei a ler A Guardiã da minha irmã. Devo ter levado dois dias para terminar a história (três, no máximo) e a sensação que deixou... Bem, estou pensando nisso até hoje. Muito tempo depois de terminar de ler.


O livro conta a história de Anna, e a narrativa acaba fazendo com que você se sinta muito próximo dessa criança, o que torna difícil pensar e analisar a história como um todo, sem tomar totalmente o lado da menina. Ser racional? Praticamente impossível, eu diria que esse livro é um daqueles para se ler com o coração, não com a razão. E nossas emoções ficam completamente abaladas quando conhecemos um pouco mais sobre os envolvidos.

Anna é a irmã mais nova de três irmãos. Jesse é o mais velho e um tanto problemático, o que é totalmente compreensível dada toda a situação na qual a família dele se encontra, e Kate é a do meio. Kate é poucos anos mais velha que Anna e aos 2 anos foi descoberto que a mesma sofria de um caso raro de leucemia (LPA), na época a família (que consistia em a mãe, Sara, o pai, Brian e Jesse, com apenas 4 anos) realizou testes para que pudessem ser doadores e perceberam que nenhum deles possuía o nível de compatibilidade necessária para salvar a vida de Kate. Então resolveram fazer o membro da família que fosse 100% compatível e assim, através de fertilização in vitro, Anna foi concebida. Desde muito pequena Anna começou a fazer doações para a irmã (ou melhor, foi forçada a fazer), sendo a primeira vez ainda recém-nascida, doando sangue do cordão umbilical. Depois foram linfócitos, medula óssea, granulócitos, células-tronco até que, aos 13 anos de idade, se vê obrigada a doar um de seus órgãos. E é aí que as coisas ficam (ainda mais) sérias. Anna procura ajuda de um advogado (o excêntrico Alexander Campbell) para processar seus pais e impedir que um de seus órgãos sejam retirados contra a sua vontade.
"(...) aquilo me fez pensar no que teria acontecido se Kate fosse saudável. É provável que eu ainda estivesse flutuando no paraíso ou sei lá onde, esperando para me ligar a um corpo e poder passar algum tempo na terra, Certamente, eu não faria parte desta família. Ao contrário do resto do mundo, não cheguei aqui por acidente. E, se seus pais só tiverem você por um motivo, é melhor esse motivo existir. Porque, quando ele desaparecer, você vai desaparecer também."
 A história é realmente tocante e a mudança de narradores entre os membros da família e o advogado proporcionam diferentes pontos de vista de uma mesma situação, o que torna ainda mais difícil toda a situação para o leitor, que acaba emergindo em problemas que são muito mais complexos do que a princípio pareciam. Você entende que nada tem só um lado e que escolhas são difíceis (e de uma certa forma prejudiciais em alguma aspecto), principalmente quando envolve pessoas que amamos; e questiona quão longe é válido, e até mesmo correto, ir para proteger alguém.


8 comentários :

  1. Oi, flor!!
    Não conhecia o livro, mas gostei da proposta dele.
    Amo livros nessa temática, parece ter um draminha, né? ♥
    Que lindo o seu blog *.*

    Primeira vez aqui no seu cantinho >.<
    Amei, tô te seguindo ;)
    Beijinhos :*
    Sankas Books

    ResponderExcluir
  2. Oi Lola, tudo bem?

    Eu vi o filme e é um dos meus preferidos! Chorei litros e achei a Cameron Diaz sensacional no papel da mãe! Não sabia que tinha livro! Adoro quero conferir tb!!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não conhecia o livro, mas parece realmente uma história muito tocante.
    Um dica que irei anotar.
    Desejo um Feliz Natal!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bom?
    Pra ser sincero não é um livro do gênero que curto, mas essas 5 estrelas que você o avaliou estão me fazendo ficar com vontade de lê-lo. Realmente parece ser uma boa obra!

    www.estupefaca.com

    ResponderExcluir
  5. AMO esse livro! Adorei a resenha! Parabéns pelo blog ;)

    Maju Raz
    www.sociedadedolivrorp.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Lola.
    Parece ser uma história bem complexa. Essa procura pelo advogado é compreensível, mas também deve desestabilizar bastante a família.
    Quero conferir a obra.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores, dividindo 4 livros.

    ResponderExcluir
  7. Oi Lola!
    Não conhecia o livro, mas acredito que já tenha ouvido falar dessa história por causa do filme, não me é estranha.
    Gostei muito da sua resenha, fiquei com muita vontade de ler esse livro, me interesso por narrativas emocionantes, e esse parece ser um livro muito forte, já que conta uma história envolvendo problemas familiares e doenças.

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  8. Oiii, tudo bem? Eu já vi o filme e sempre choro. Mas no filme é bem diferente né? É a irmã doente que quer que ela procure um advogado né? Pelo menos é o que entendi todas as vezes que vi o filme. Mas parece que no livro é diferente...
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir